Início » » Promotor reage à votação da PEC 37 com palavrões em rede social

Promotor reage à votação da PEC 37 com palavrões em rede social

Pirajui por Obirosca Pirajuí em 28 de junho de 2013 | 15:10:00

A rejeição da Proposta de Emenda à Constituição 37/2011, que limitava os poderes de investigação do Ministério Público, gerou polêmica entre apoiadores e contrários à proposta.
Pelas redes sociais, promotores e delegados expuseram opiniões a respeito da PEC rejeitada nesta terça-feira (25/6), na Câmara dos Deputados.

Uma das mensagens que circulou durante a madrugada foi a do promotor Dario Jardim Cruvinel, lotado em Brazlândia.

Em uma publicação pouco depois da votação, o promotor mandou uma “mensagem” para o Brasil:

A reportagem do Correio tentou entrar em contato com Dario, mas ele não foi localizado até a publicação deste texto. De acordo com a assessoria de imprensa do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), a Corregedoria do órgão abrirá procedimento administrativo para apurar a conduta do promotor neste episódio.

Segundo o presidente da Associação do MPDFT, Antonio Marcos Dezan, o posicionamento de Dario Cruvinel vai na contramão do que a associação fez durante o processo de análise da PEC. Dezan explicou que a associação trabalhou junto aos parlamentares e as autoridades constituídas para que a Câmara rejeitasse a proposta. “A aprovação não prejudicaria necessariamente o Ministério Público, mas sim a sociedade como um todo. Reconhecemos o relevante serviço que as autoridades e parlamentares prestam e isso que foi escrito, lamentavelmente, pelo nosso colega promotor, não nos representa”, afirmou.

O presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Distrito Federal (Sinpol-DF), Benito Tiezzi, disse que a categoria recebeu a mensagem como tristeza e garantiu que o sindicato vai tomar as providências cabíveis. “A rejeição da PEC em nada mudou. Cada um tem a sua função, de acordo com a Constituição. A mensagem publicada nos causou tristeza de ver como as pessoas encaram um debate de forma tão drástica. É preciso encarar idéias diferentes sem achincalhar”, ressaltou Tiezzi.

Confira na íntegra a nota oficial do Ministério Público do DF
A Corregedoria-Geral do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) instaurou inquérito administrativo disciplinar para apurar conduta em tese ofensiva aos deveres de urbanidade e de guardar decoro pessoal, em razão de mensagem postada por promotor de Justiça em sua página no Facebook, contendo termos ofensivos aos membros do Congresso Nacional e aos delegados de Polícia.

O MPDFT ressalta que não aprova, nem compactua, com a postura supostamente praticada pelo promotor.

Fonte: Correio Braziliense

4 comentários:

  1. como é o nome do sujeito? Dario o Cruu??

    ResponderExcluir
  2. No google diz é promotor do juizado.. Um pouco feminino não? So faz audiencia de TC de briga e abuso policial.. Se fosse de enfrentamento estaria no gaeco e nao tem nada no google.. Divido que ja investigou algo..

    ResponderExcluir
  3. Se ele é do juizado, deveria ser um pouco mais "ajuizado" ao lidar com palavras de baixo calão.

    ResponderExcluir
  4. Ele solicita.. Como dizia o Didi moco !

    ResponderExcluir